Principalmente para quem precisa conciliar as necessidades de um animal de estimação com a vida em apartamento, entender a dinâmica e as regras dessa relação é fundamental para que tanto pets quanto tutores tenham uma vida mais feliz e confortável.

Entretanto, mesmo com esses detalhes, manter animais em apartamento é perfeitamente possível, desde que respeitados os cuidados necessários, como as exigências do condomínio e as condições adequadas para o dia a dia de seu bichinho.

Foi exatamente por isso que preparamos este post. Aqui, apresentaremos as principais dicas para quem tem ou deseja ter animais em apartamento!

O que a legislação diz sobre animais em apartamento?

Para que não restem dúvidas, é importante deixar claro: nem síndico nem proprietário (no caso de locações) podem proibir a permanência do seu animal no apartamento, pois estariam violando diretamente o seu direito à propriedade. Além disso, visitantes também não podem ser proibidos de entrar com seus pets, já que isso implica inadequações com relação ao direito de ir e vir, assim como causa constrangimento ao tutor do animal. A única pessoa que dispõe de autoridade para designar a retirada do mascote, caso o tutor não apresente uma defesa plausível, é um juiz de direito.

Vale lembrar que, ainda assim, é necessário respeitar algumas regras básicas, como não deixar que o animal incomode os outros moradores, utilizar focinheira e evitar que o bicho esteja solto em áreas comuns (apenas no caso seja bravo) e sempre recolher os dejetos deixados pelo animal.

Lembre-se também de que se o seu pet já vive no apartamento há mais de 5 anos e nunca recebeu uma reclamação, ele não pode ser removido, mesmo que as regras do edifício sofram alterações. Caso esse direito não seja respeitado, é possível recorrer judicialmente — os juízes, inclusive, tendem a favorecer a permanência do animal.

Como criar o seu pet em um apartamento?

Para garantir uma vida feliz ao seu companheiro, é imprescindível seguir alguns passos, que, apesar de bastante simples, são muito importantes.

1. Conheça as regras do condomínio

Já ciente de seus direitos, é interessante se alinhar às regras do condomínio ou administração do edifício. Tenha em mente que o regulamento pode variar de acordo com cada lugar, sendo mais flexível ou mais exigente. Entender o funcionamento do seu prédio é importante para garantir o bem-estar de seu pet e dos demais moradores, além de evitar constrangimentos.

2. Priorize a segurança de seu pet 

Um dos pontos mais importantes para garantir uma vida tranquila para seu bichinho é ter atenção à segurança dele. Pensando nisso, instale telas de proteção nas janelas e tenha cuidado com fios elétricos expostos. Assim, você evita possíveis acidentes que seriam desastrosos para seu animal de estimação.

3. Não descuide da higiene 

Como o ambiente de permanência do animal é bastante reduzido em um apartamento, tenha especial atenção à higiene, tanto do pet quanto do ambiente. Utilize produtos específicos para eliminar o odor de urina e fezes, de modo a evitar a proliferação de microrganismos. Também é imprescindível ter uma rotina regular de banho e tosa (se preciso), além de manter em dia a desparasitação e o calendário de vacinação.

4. Cuide da saúde mental de seu bichinho 

Esse é, talvez, um dos pontos mais importantes dessa lista. Isso porque a saúde mental do seu animal tem uma influência muito grande sobre a felicidade dele. Então mantenha uma rotina de passeios diários, já que isso permite que o pet se exercite e se divirta. Ademais, enriqueça o ambiente com brinquedos, desafios e recompensas ao seu bichinho.

5. Opte por um apartamento com área de serviço

Mesmo que o seu pet esteja habituado a fazer as necessidades apenas durante os passeios, há sempre aqueles dias em que não é possível sair de casa, como durante chuvas muito fortes. Assim, uma boa saída é ter um apartamento com área de serviço para que o animal tenha uma alternativa.

6. Proporcione um treinamento adequado 

Para garantir que todas as dicas sejam efetivas, é importante proporcionar o treinamento adequado ao seu mascote. Desse modo, você evita comportamentos inadequados e facilita a sua rotina. Além dos habituais truques, como sentar e dar a pata, é importante ensinar o animal a respeitar os seus “nãos”, entender em que lugar ele pode ou não fazer xixi etc. Uma boa prática é socializar o bichinho desde filhote para que, futuramente, ele não apresente problemas de comportamento, tanto com relação a pessoas como a outros animais.

Para evitar conflitos com os outros moradores ou com a administração do edifício, esteja alinhado às políticas do condomínio e às exigências do síndico. Assim, é possível garantir uma vida tranquila para o seu pet e evitar desgastes com seus vizinhos.

 

via imovelweb.com.br