Evitar aglomeração nas áreas comuns dos condomínios é uma das principais ações preventivas ao coronavírus, mas lista de medidas é mais extensa

Com a necessidade de isolamento social provocada pelo coronavírus, os condomínios residenciais se tornaram os lugares onde está a maior concentração de pessoas 24 horas por dia. Esse cenário exige cuidados para evitar propagação da doença e pulso firme do síndico para cobrar dos moradores o cumprimento do protocolo de prevenção contra a pandemia, que mata principalmente idosos. Santa Catarina, Estado com o maior índice de longevidade do Brasil, conta com municípios em que grande parcela da população está na terceira idade. É o caso de Balneário Camboriú, onde a prefeitura estima que 30% da população (contando fixa e flutuante) esteja nessa faixa etária, o dobro do índice apontado pela projeção do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para o Brasil (14,26%) em 2020.

Por conta do perfil populacional, a Secretaria da Pessoa Idosa de Balneário Camboriú criou uma rede de voluntários disponíveis para busca de produtos e remédios, assim como fazer compras no mercado para os moradores da terceira idade ficarem em casa. Como Balneário Camboriú é uma cidade de característica verticalizada (mais de 2.000 edifícios), o órgão espera dos gestores condominiais uma parceria para a divulgação do serviço. Para acioná-lo, basta ligar para (47) 3261-5300, de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h; ou pelo número do plantão 24 horas: (47) 3363-3020.

No Estado, houve aqueles que deixaram suas residências nas cidades maiores, como a Capital (492.977 habitantes) e seguissem para seus apartamentos em municípios litorâneos menores, como Porto Belo (28.380). “Nosso condomínio tem 37 apartamentos e 15 são de moradores fixos. Mas muitos condôminos vieram de Florianópolis ficar em isolamento aqui”, conta o síndico do Condomínio Residencial Porto Belo Residence, Cassiano Mantovani, onde 70% dos moradores são idosos. Os cuidados começaram cedo lá. Entre 9 e 16 de março foram disponibilizados álcool em gel nos elevadores, a zeladora foi instruída a reforçar a higienização no hall, os espaços de lazer foram fechados, aluguéis e entrada de operadores de serviços proibidos e assembleia adiada. “Acho que saímos na frente porque a maioria dos condôminos são idosos, preocupados por estarem muito vulneráveis”, observa Mantovani.

Sem vacina, conhecimento é escudo para ultrapassar tormenta

Acompanhar atentamente a evolução do coronavírus no mundo desde janeiro e acreditar no poder ofensivo da pandemia fizeram o síndico do Condomínio Mirante Quatro Estações, Dalmo Mayer Tibincoski, e seus conselhos consultivo e de segurança estarem preparados. Isso foi importante diante do tamanho do condomínio, podendo ser comparado a um bairro: um espaço de 44 mil m², com seis torres, totalizando 240 apartamentos e 1.200 condôminos.

Em 17 de março, antes mesmo do governador Carlos Moisés decretar situação de emergência (que determinou fechamento de comércio, academias e restaurantes, suspensão do transporte público por sete dias e proibiu reuniões de qualquer natureza por um mês), a equipe gestora do condomínio de São José anunciou o fechamento de todos os espaços de lazer e a intensificação da higienização dos blocos, entre outras ações. “Acompanho as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e desde janeiro estou em conversa com os conselhos. Sabíamos que, em algum momento, precisaríamos fazer as restrições e, como tínhamos o planejamento, foi só agir”, descreve Tibincoski.

Orientações dos especialistas

Interdição de espaços de lazer

A transmissão do vírus ocorre pelo ar e por contato. Por isso, conforme o médico infectologista Luiz Escada, deve-se evitar aglomerações. É importante fechar áreas de lazer, como salão de festas, academia, brinquedoteca e piscina. Caso o condômino desrespeite a determinação e entre nesses espaços, “tem que ser advertido verbalmente. Depois, em caso de reincidência, pode ser multado. Dependendo da gravidade, pode-se até chamar a polícia”, alerta o advogado, membro da Comissão de Direito Urbanístico da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP), Márcio Rachkorsky, comentarista da CBN e do programa de TV SP1 (filiada da Globo) na temática condominial.

Limpeza nas áreas comuns

Tocar superfícies contaminadas e levar a mão à boca, nariz ou olhos é uma das formas de adquirir coronavírus. Assim, a limpeza de maçanetas, elevadores e suas botoeiras, interruptores, corrimões e banheiros com álcool 70 %, alvejantes ou solução diluída de hipoclorito de sódio é fundamental. Aumentar a frequência também é importante. “Se fazia a limpeza uma vez por dia, passe para três”, aconselha o infectologista Luiz Escada. Colocar o álcool em pontos estratégicos, como elevadores e hall, também é importante.

Procedimento em caso de suspeita

Em caso de suspeita de doença respiratória deve-se entrar em contato com a unidade de saúde mais próxima ou ligar para o disque saúde pelo número 136 e fazer o isolamento domiciliar.

Informação de contágio

Se algum morador for contagiado pela Covid 19, o médico Luiz Escada alerta para a necessidade de comunicação ao síndico. O gestor condominial pode informar da existência do caso para os outros condôminos ampliarem a proteção, mas nunca revelar o nome e o apartamento para evitar constrangimentos.

Elevadores

O infectologista Valter Araújo recomenda restrição do número de condôminos no elevador, já que a orientação é para afastamento de pelo menos um metro e meio entre pessoas. Como em um elevador esse distanciamento é difícil, a indicação é para a entrada de uma família ou morador por vez.

Assembleias

Esta é a época comum das assembleias gerais ordinárias para prestação de contas e eleição do síndico. Mas, não é possível fazer reuniões durante o período de decreto de emergência. O presidente do Sindicato dos Condomínios de Edifícios de Santa Catarina (Sindiconde – representante dos condomínios residenciais), Sandro Barreto, observa que o principal problema é os bancos não aceitarem mais a assinatura do gestor condominial, o que torna necessário entrar em contato com os gerentes para tentar evitar o bloqueio de contas.

O advogado Gustavo Camacho, especialista na área condominial em Joinville, adverte que optar por realizar assembleias virtuais não é o melhor caminho. “Não existe lei que proíba ou possibilite, salvo nos casos em que a convenção já prevê”, explica. Após o período de decreto, ele recomenda apenas assembleias urgentes ou imprescindíveis, de preferência em lugares abertos.

Funcionários

O presidente do Sindiconde, Sandro Barreto, considera necessária a presença dos trabalhadores, porém com escala reduzida para minimizar riscos, transporte seguro e uso de EPI (equipamento de proteção individual). “Os funcionários são importantes para o enfrentamento do coronavírus, mas todo condomínio deve contribuir nessa hora. Pegá-los em casa, por exemplo, fazer escalas para não ficarem tão expostos. Os moradores também podem ajudar na limpeza. Se tem álcool em gel em casa, não custa passar no elevador e botão do equipamento no seu andar”, ressalta.

Segundo o infectologista Valter Araújo, caso os empregados apresentem sintomas de gripe, devem ser dispensados para ficarem isolados. Aqueles com mais de 60 anos e doença crônica devem ficar em casa.

Entregas

O vice-presidente de Condomínios do Sindicato da Habitação (Secovi -representante dos prédios comerciais e mistos) das regiões de Florianópolis e Tubarão, Walter Jorge Jr., diz que os entregadores não devem adentrar os condomínios, ou seja, os moradores é que devem buscar as encomendas na portaria. O Condomínio Mirante Quatro Estações segue essa forma e, inclusive, disponibilizou álcool em gel do lado de fora, na frente do interfone. Obras e manutenções que não sejam emergenciais também devem ser evitadas.

Aluguéis por aplicativo

Aluguéis por aplicativo podem ser proibidos. É o que afirma o advogado Márcio Rachkorsky. “O síndico deve determinar que proprietário faça cancelamento das locações porque não faz sentido tomar todos os cuidados e ter um monte de hospedes diferentes chegando todos os dias sabe lá de onde”.

Fique atento aos cuidados:

  • Higienize elevadores com álcool gel 70% várias vezes ao dia
  • Disponibilize álcool em gel 70% em vários pontos de acesso, portarias, portas, etc.
  • Feche espaços de lazer como salão de festas, piscinas, academias, playgrounds, cinemas, brinquedotecas etc.
  • Solicite aos moradores que cancelem obras e reformas nas unidades
  • Oriente moradores para que dispensem temporariamente os serviços de diaristas e empregados domésticos
  • Não realize reuniões e assembleias.

via https://condominiosc.com.br/