Denise Sá, gerente de implantação de condomínio da Singular Premium, aponta mais alternativas para economizar. “Se o zelador faz muitas horas extras para cobrir a folga do porteiro, o custo fica mais caro, sem dúvidas. Ele é o funcionário mais caro do condomínio. Para isso, diminuir a rotatividade do pessoal também ajuda a evitar mais gastos”, diz.

Ela indica que o síndico deve fazer levantamento de energia, com a substituição led, de água, com a Cagece, e de hidrômetro próprio, que evita manutenções constantes entre os anos. “A instalação de hidrômetros individuais incentiva a economia de água do prédio e pode assegurar economia de 20% na conta dos moradores. Caso não seja possível, o morador pode verificar os vazamentos, instalar redutores e reaproveitar a água da chuva”.

De acordo com a gerente, é possível reduzir até a mão de obra, considerado o custo mais caro de todo o condomínio. “Se os moradores colocarem vigilância eletrônica, o custo de vigilância, adicional noturno, hora extra, vale alimentação e vale transporte são reduzidos drasticamente. A vigilância ficaria com as câmeras que, teoricamente, devem estar por todo o empreendimento. O custo de energia já faz parte das câmeras, e a maioria dos imóveis tem, algo que não cria impacto na energia”, diz. Ela lembra que ainda evita mão de obra terceirizada, troca de profissionais ou gastos com a profissionalização do funcionário. (Gabriel Amora)

Fonte: https://www.opovo.com.br