Ainda que as manutenções preventivas estejam em dia, é fundamental possuir um bom plano de emergência no condomínio.

O plano de emergência do condomínio é um documento que tem por objetivo descrever todas as possíveis situações que demandem atuação imediata e organizada de um grupo de pessoas. Seja ela com formação específica ou não.

É necessário que este documento esteja em constante atualização, levando em conta a evolução tecnológica, dos métodos e das equipes de trabalho.

Para a sua elaboração, o síndico poderá contar com o auxílio de profissionais especializados como corpo de bombeiros, policiais militares e administradoras de condomínio.

Situações de contingência nem sempre podem ser evitadas, já que sua ocorrência muitas vezes independente da organização do condomínio. Mas a sua mitigação, sim. E para isso, contar com um plano de emergência é essencial.

Veja abaixo algumas situações que precisam ser incluídas em um plano de emergência no condomínio e como agir.

1- Telefones

Possuir uma lista de telefones sempre atualizada é o primeiro passo na elaboração de um plano. Tenha anotado todos os telefones de instituições de saúde e socorro. Não esqueça, também, de incluir as empresas de manutenção de elevadores, de bomba, portas e portões eletrônicos, bem como seguradoras.

2- Incêndio

Inclua uma seção especifica para o tema. Uma dica é procurar orientação do corpo de bombeiros.  Nesta parte, deixe claro no plano de emergência a tarefa de cada morador e funcionário. Leve em conta:

– Rotas de fuga;

– Ponto de encontro;

– Brigada de incêndio;

– Não utilização dos elevadores.

O treinamento de evacuação do local é essencial e pode ser realizado com a ajuda do corpo de bombeiros. Aproveite a oportunidade e organize uma palestra com esses profissionais sobre o tema. Por fim, não se esqueça das sinalizações refletivas dos extintores, portas cortas fogo e saídas de emergência.

3- Problemas hidráulicos

Vazamentos e falta de água são bastante comuns em condomínios. Principalmente em estações mais quentes. Logo, no plano de emergência deve constar como agir nesses casos.

– Deixar claro que procedimentos tomar em casos de vazamentos em unidades vazias ou quando o morador não abrir a porta.

– Em que momento a interrupção do abastecimento se torna um incômodo e é necessária a contratação de um caminhão-pipa.

4- Vazamento de gás

Situação extremamente perigosa e que exige uma pronta resposta por todos. É necessário incluir, no plano de emergência do condomínio, como proceder em casos de vazamento. Itens que não podem faltar:

– Local do registro geral e evacuação do local;

– Telefone da distribuidora de gás;

– Identificação do vazamento: tubulação do condomínio ou na unidade.

5- Quedas de energia elétrica

Com procedimentos simples é possível evitar maiores dores de cabeça por causa da falta de luz no condomínio. É recomendável que o plano de emergência inclua os seguintes itens:

– Localização das caixas de distribuição;

– Telefones da distribuidora e empresas de manutenção;

– Verificação dos equipamentos auxiliares como lanternas carregadas na portaria (em casos que o condomínio não possua gerador).

– Observar se há pessoas presas no elevador.

6- Passageiro preso no elevador

Uma situação extremamente desconfortante, em situações como essa a rapidez é fundamental. Portanto, dedique uma seção detalhada sobre esse tema.

– Deixe claro no documento procedimentos para acalmar o usuário;

– Instrua-o para que acione o botão de alarme;

– Não force as portas nem tente sair se o elevador estiver parado entre os andares.

– Inclua o número da empresa de manutenção. Somente eles ou o corpo de bombeiros poderão fazer o resgate.

7- Desmaios ou mal súbitos

Caracterizados pela perda repentina da consciência, saber agir em situações como essa pode ser essencial para salvar uma vida.  No plano de emergência podem constar alguns procedimentos básicos, como:

– Em casos de médico no condomínio, deixar anotado telefone e apartamento para eventuais emergências;

– Chegar perto da pessoa e conferir se ela está respirando;

– Procurar pelo pulso para saber a frequência cardíaca;

– Incluir ilustrações sobre técnicas de reanimação;

– Tudo isso são medidas indispensáveis para o primeiro atendimento até a chegada do SAMU.

Ainda que o condomínio possua suas manutenções preventivas em dia, qualquer um dos incidentes acima pode ocorrer de forma inesperada. Logo, é fundamental possuir um bom plano de emergência.

Fonte: Guilherme de Paula Pires | Viva o Condomínio | https://vivaocondominio.com.br